Regispel completa dois anos de apoio ao Hospital Pequeno Príncipe

Regispel completa dois anos de apoio ao Hospital Pequeno Príncipe

Utilizar o cupom fiscal como veículo de comunicação e captação de recursos financeiros. Essa foi a forma que a Regispel encontrou para colaborar objetivamente a combater os problemas da sociedade brasileira. No Paraná, o projeto, denominado Cupom Social-PR, completa dois anos junto ao Hospital Pequeno Príncipe, localizado em Curitiba. Ao adquirir bobinas Regispel, o varejista paranaense contribui com a instituição e passa a fazer parte desta corrente do bem.

Nesse período, mais de 140 milhões de cupons fiscais foram entregues aos consumidores com a divulgação da campanha e, consequentemente, do Hospital. O Pequeno Príncipe é o maior hospital pediátrico do país e realiza, por ano, mais de 300 mil atendimentos em 32 especialidades, com foco em tratamentos de alta e média complexidade.

“Os números alcançados nestes dois anos de parceria são extremamente positivos. Trata-se de um projeto que envolve toda a cadeia de nosso produto”, declara o gerente de marketing da Regispel, Giancarlo Pizzutto. “Renovamos este compromisso diariamente, pois sabemos o quão importante é o trabalho desenvolvido pelo Hospital Pequeno Príncipe junto à comunidade paranaense e brasileira”, completa.

A ação possibilita que, mensalmente, mais de 6 milhões de espaços publicitários divulguem o trabalho da instituição. “Temos que agradecer aos nossos clientes que participam dessa campanha. A adesão de cada um deles é fundamental para que consigamos aumentar nossa doação e apoio ao Hospital”, complementa Pizzutto.

A diretora executiva do Pequeno Príncipe, Ety Cristina Forte Carneiro, reforça a importância de parcerias duradouras com as iniciativas privada e pública. “Elas são fundamentais para que possamos ampliar nossos serviços e garantir atendimento humanizado e com excelência técnico-científica a milhares de crianças de todo o Brasil”, ressalta. “Apoios continuados como o da Regispel, que está conosco há dois anos, contribuem para que o Hospital continue transformando a realidade da saúde no país e investindo em inovação em prol da causa da saúde infantojuvenil”, conclui Ety.

 

Sobre a Regispel

A Regispel começou suas atividades comerciais em 1981, há exatos 37 anos. Seu ideal surgiu da união de nove amigos que atuavam há mais de 20 anos no mercado de venda de máquinas registradoras, calculadoras e, também, máquinas para escritórios de contabilidade, da marca NCR, empresa que desenvolveu o conceito de autosserviço no Brasil em meados dos anos 50.

A Regispel se destaca na produção de bobinas de papel para o mercado de automação comercial e bancária, contas de consumotickets de estacionamento, ingressos para eventos culturais e esportivos, tags, etiquetas autoadesivasrótulosetiquetas não adesivas e one cupons.

A empresa é pioneira no conceito de utilizar seu produto como mídia social. As bobinas térmicas da Regispel divulgam em seu verso o trabalho de diversas instituições não governamentais, como o Instituto Ayrton Senna; a Fundação Cafu; o Hospital Pequeno Príncipe; o Instituto do Câncer Infantil, de Porto Alegre; a Associação de Reabilitação da Criança Deficiente (ARCD), de Joinville; e o Instituto Guga Kuerten, de Florianópolis. Ao todo, são dez programas sociais relacionando sua marca a entidades idôneas e que praticam o bem em prol do desenvolvimento sócio educacional brasileiro. A empresa, em cinco anos de campanha, já reverteu mais de R$ 500 mil a estas organizações, que ampliaram as oportunidades de saúde e educacionais de mais de 4 mil crianças.

 

Sobre o Hospital Pequeno Príncipe

O Pequeno Príncipe é o maior hospital exclusivamente pediátrico do Brasil. Com sede em Curitiba, atende pacientes de todo país em 32 especialidades, com tratamentos de alta e média complexidade. É referência nacional em diversas especialidades – como Ortopedia, Cardiologia e Oncologia  –, bem como na realização de transplantes de órgãos, tecidos ósseos e de medula óssea. Destina cerca de 70% da capacidade para o Sistema Único de Saúde (SUS). Realiza, em média, 305 mil atendimentos ambulatoriais por ano, 22 mil internações e 20 mil cirurgias. É pioneiro em projetos de humanização que se tornaram modelo para todo o país, como o Programa Família Participante, que, com cuidado humanizado e integral, presta suporte a mais de 14 mil familiares, por ano, para acompanharem seus filhos, atendidos via SUS, durante o período de internação.